Brasil tem time definido para Davis

Início    /    Tênis    /    Brasil tem time definido para Davis
Por Raphael Favilla  •  22 de Janeiro de 2018

O capitão da equipe brasileira na Copa Davis convocou os tenistas que integrarão o time brasileiro na estreia do Zonal das Américas contra a República Dominicana, em Santo Domingo. Na equipe comandada por João Zwetsch estão Thiago Monteiro, João Pedro Sorgi e o jovem Thiago Wild serão. Marcelo Melo e Marcelo Demoliner formarão a dupla brasileira.

O confronto inédito com os dominicanos será disputado entre os dias 2 e 3 de fevereiro, nas quadras rápidas do Club Deportivo Naco, na capital do país caribenho. Se a equipe brasileira vencer, encara quem sair do duelo entre Colômbia e Barbados para tentar uma vaga no playoff para o Grupo Mundial.

Cinco jogadores brasileiros foram consultados pelo capitão João Zwetsch e não poderão participar do confronto, cada um com um motivo especial.

"Meu foco neste ano é priorizar o calendário ATP", ressaltou Rogerinho. Da mesma forma Bellucci, Feijão e Clezar irão jogar os torneios importantes do calendário na data da Davis e focar em seus rankings individuais. "Com a segunda gravidez da Bruna (esposa) e o nascimento do nenê programado para junho, vou ter que cortar algumas semanas do meu calendário para ver a minha família e acompanhar esse momento," explicou Bruno Soares. "Ela não poderá viajar nenhuma semana comigo e infelizmente, vou ter que abrir mão da Copa Davis em 2018 e dos ATPs de Stuttgart e de Estocolmo," lamentou o duplista top 10 do mundo.

O time brasileiro poderá ter até três estreantes na Davis, no confronto inédito com os dominicanos: Sorgi, Wild e Demoliner.

"É um confronto um pouco diferente. Nossa equipe vai com uma escalação bem diferente do que estamos acostumados. Dos cinco que vão, três estão indo pela primeira vez. É uma data complicada dentro do calendário ATP, com torneios no saibro, diferentemente da Davis jogada em quadra rápida, ficou difícil para muitos jogadores. A esposa do Bruno está grávida de novo, então ele pediu para dar uma segurada na Davis esse ano para ficar mais com ela. O Thomaz está há quase seis meses sem jogar, sem ritmo de jogo. E o resto da turma, o Rogerinho, o Feijão, o Clezar decidiram priorizar o calendário dos torneios da América do Sul no saibro, perfeitamente entendível”, explicou o capitão João Zwetsch.

"Essa Copa Davis é muito complicada por isso, por ser na quadra dura com data um pouco inconveniente. Temos que compreender. Os quatro ATPs que possuem no período são torneios muito importantes para todos da América do Sul. A grande maioria das vezes que foram solicitados o Rogerinho, o Thomaz e o Bruno jogaram, o Feijão e o Clezar também. Todos eles já têm um serviço importante prestado ao Brasil na Copa Davis e temos que entender que é realmente inadequado terem que quebrar seus calendários para jogar uma Davis. Também seria compreensível se o Marcelo e o Monteiro não quisessem jogar", completou o capitão brasileiro.

Publicidade